Como as cobras se reproduzem

 

Quando uma cobra fêmea está pronta para copular, ela começa a liberar um perfume especial (feromônio) das glândulas da pele que têm nas costas. Quando sai para sua rotina diária, ela deixa um rastro de odor na medida em que se impulsiona sobre os pontos de resistência do solo. Se um macho sexualmente maduro capta seu perfume, ele segue seu rastro até encontrá-la. A cobra macho começa a cortejar a fêmea, batendo com seu queixo na parte de trás da cabeça da fêmea, e rastejando sobre ela. Quando ela está desejosa, levanta a cauda.

Nesse ponto, ele enrola sua cauda em torno da cauda dela para que a base de suas caudas se encontre na cloaca (o ponto de saída para excreções e fluido reprodutivo). O macho insere seus dois órgãos sexuais, os hemipênis, que então se estendem e liberam esperma. Geralmente essa atividade sexual dura cerce de uma hora, mas pode durar até um dia inteiro.

 

A Reprodução

As cobras fêmeas se reproduzem uma ou duas vezes por ano; contudo, os métodos de parto variam entre as espécies. Algumas cobras dão a luz a filhotes formados (desde 1 até 150 por vez), enquanto que outras colocam ovos (de 1 até 100 por vez); algumas inclusive combinam esses métodos, guardando os ovos internamente até que se rompam, dando à luz filhotes já formados. No geral, as cobras não sentam sobre seus ovos como as galinhas, mas em alguns casos protegem os ovos e filhotes por alguns dias depois que nascem. Muitas vezes abandona seus filhotes logo após o parto.

Algumas cobras, como as sucuris podem passar meses sem uma refeição. Porém, quando elas comem, não deixam sobrar nada. Essas serpentes desenvolveram um sistema para extrair o cálcio do esqueleto de suas presas, contribuindo para uma refeição mais nutritiva. Elas são, portanto, fisicamente adaptadas para lidar com jejuns prolongados, realimentando-se com grandes refeições e intensa digestão e absorção de nutrientes.

 

Apesar de não se alimentarem durante meses, as cobras continuam a crescer de forma saudável. Teste realizado em pesquisa mostra que 62 cobras entre elas, cascavéis, jibóias e pítons, foram alimentadas durantes 6 meses, o mesmo tempo que ela costuma ficar sem se alimentar na natureza, 72% delas tiveram grande redução na taxa de metabolismo para sobreviverem e levaram mais tempo na queima de suas reservas de gordura.

Comments
  1. Responder

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *